Pesquisar

Pesquisa personalizada

quarta-feira, 31 de março de 2010

Mais sobre drunkorexia

Drunkorexia, ou anorexia alcoólica termo criado nos EUA para definir o alcoolismo associado a distúrbios alimentares. Este distúrbio é muito comum entre jovens e adultos de idade entre 20 e 40 anos, que ingerem bebidas alcoólicas no lugar da refeição. O ato restringe a absorção de calorias necessárias ao corpo humano sob o objetivo de manter um visual esbelto e na moda. Entre as celebridades artísticas o costume da “drunkorexia”, além de causas estéticas, é impulsionada por cobranças do mercado, angústias e compulsões profissionais. Neste transtorno alimentar as pacientes (porque a maioria é mulher) bebem em vez de comer para emagrecer. Elas transformam a obsessão pela magreza em uma compulsão pela bebida.

Sabe-se que além da anorexia o numero de pessoas com drunkorexia está crescendo, não só devido a supervalorização da magreza e dos inatingíveis padrões de beleza, muitas meninas acabam se tornando drunkorexicas por questões mais complexas, e internas, como trauma ou transtorno psicológico. Muitas são depressivas e uma parte considerável foi abusada ou negligenciada na infância.

Segundo a OMS ( Organização Mundial de Saúde), o alcoolismo atinge de 10% a 12% da população mundial. Equilibrar o peso do corpo através da bebida é o mesmo que realizar uma dieta forçada e depois cair no efeito sanfona ( alternância periódica de peso ).

Estudos psiquiátricos revelam que o alcoolismo feminino está associado a transtornos psicológicos relacionados à anorexia, bulimia, depressão e ansiedade. O álcool anestesia emoções ruins como a frustração, e no caso da “drunkorexia”, reduz o apetite. No funcionamento orgânico beber com estômago vazio acelera os efeitos do álcool.

Beber sem moderação pode vir a causar doenças no sistema digestivo e , em certos casos, no sistema sangüíneo, além de outros males. Beber demais ainda causa perda de reflexos, principalmente para o motorista em trânsito.

Há cerca de um ano, o New York Times fez uma matéria sobre o assunto. Nela, uma jovem dizia que bebia para ficar mais calma. “O álcool tira minha ansiedade. As duas coisas caminham juntas. Quanto mais eu bebo, mais eu entro no meu distúrbio alimentar, e vice-versa”. Em uma comunidade extinta do Orkut, uma jovem dizia que se sentia mais magra quando estava bêbada.

sexta-feira, 26 de março de 2010

O que é Drunkorexia ?

A doença que está sendo mostrada na novela Viver a Vida pela personagem Renata interpretada por Bárbara Paz . A Drunkorexia é uma variedade da anorexia , onde as anoréxicas buscam inibir o apetite usando o álcool, mas também pode acontecer o contrário, um alcoólatra desenvolver transtornos alimentares.

É uma mistura de comportamentos que envolve restrição alimentar, compulsão, vômitos e o consumo excessivo de álcool. As pessoas com este tipo de distúrbio passam fome para compensar as calorias do álcool que consomem ou quando exageram na comida e no álcool provocam vômito para eliminar os excessos. Segundo pesquisadores, a drunkorexia costuma surgir em pessoas que já possuem algum trauma ou transtorno psicológico. O álcool costuma ser usado para aliviar a dor e a ansiedade causadas pela fome. A droga mais procurada por quem sofre de transtornos é o álcool.

É importante saber que um grama de álcool fornece 7 kcal, o que é quase o dobro do valor calórico de um grama de carboidrato ou proteína, perdendo somente para a gordura que possui 9kcal por grama. Algumas pessoas tem o perfil de pular refeições e fazer jejum nos dias de festa ou de encontros com amigos, para que assim possa beber à vontade, mas deve-se tomar cuidado com estas atitudes.

No Brasil não há estudos sobre a drunkorexia. Em outros países constataram que o uso de álcool entre pessoas com transtornos chega a ser maior do que entre pessoas saudáveis. Também observa-se que as chances aumentam em mulheres. De acordo com alguns psicólogos os transtornos alimentares geralmente estão relacionados com a necessidade de entorpecer alguma dor emocional. Os distúrbios são muitas vezes conduzidos por traumas de infância como abuso sexual, negligência e outras fontes de angústia mental.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Comer Compulsivo

Outro Transtorno Alimentar bem diferente da anorexia é o comer compulsivo onde os pacientes apresentam episódios de voracidade fágica (episódios bulímicos) mas sem se utilizarem de métodos purgativos depois, como acontece na Bulimia Nervosa.

No Transtorno do Comer Compulsivo também não há preocupação mórbida e irracional com o peso e a forma do corpo. Estes pacientes são na maioria das vezes obesos e parecem se distinguir de obesos que não apresentam esses episódios de comer compulsivo por apresentarem mais co-morbidade psiquiátrica e pelo fato da obesidade ser de maior gravidade. O transtorno do comer compulsivo acomete três mulheres para cada dois homens e tem uma prevalência de 2% na população geral e de 30% entre as pessoas obesas que procuram tratamento para emagrecer.

As pessoas com este transtorno apresentam freqüentes crises, durante as quais sentem que não podem parar de comer. Comem depressa e às escondidas, ou não deixam de comer o dia todo. Apesar desses pacientes se sentirem culpados e envergonhados por sua falta de controle, eles não apresentam atitudes compensatórias e compulsivas (vômito, laxantes...) típicas dos pacientes com Bulimia e Anorexia. Normalmente eles têm um histórico completo de fracassos em diversas dietas e regimes para emagrecimento. Normalmente são pessoas depressivas e obesas. Esta compulsão alimentar incontrolável leva os pacientes a ingerir quantidades exageradas de alimentos em um curto espaço de tempo. Estes ataques de comer ocorrem com uma freqüência mínima de 2 vezes por semana para que seja diagnosticada a síndrome.