Pesquisar

Pesquisa personalizada

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Ano Novo

Pessoal neste último dia do ano vamos agradecer a Deus por tudo de bom que tivemos, pelas vidas que foram salvas pelo milagre de Deus . Se não fosse A fé em Deus já teriamos perdido muitas pessoas com anorexia. Deus pode lhe dar a Cura mas você também precisa se ajudar !

Obrigada a você que me acompanhou nos dias tristes e felizes deste ano de 2010 ! Que você tenha muita paz, amor, alegrias, curas e se motive para viver cada dia da sua vida como se fosse o último ! Pois como eu já falei uma vez muitas vezes só percebemos a importância de viver quando a vida está por um fio...

Um abraço a todos continue acompanhando o blog e vamos a mais um ano de luta tentando salvar vidas que acabam entrando para esse terrivel pesadelo que é a anorexia...

Tudo de bom pessoal e um Feliz 2011 !!

sábado, 18 de dezembro de 2010

Porque ?

baixo peso corporal
Az vezes nos perguntamos porque as pessoas sofrem de anoerxia, principalmente porque as crianças sofrem de anorexia...se as vezes nem entendem oque se passa no mundo.

è as crianças sofrem muitas vezes dores que os adultos jamais imaginam que elas possam ter... Uma dor que não é física...uma dor que emocional...que pode ser que não seja tratada e esta acabe se manifestando por meio da anorexia..

Pode acontecer com os adolescentes e adultos... um trauma algo que marcou a sua vida, tristeza sofrimento... se ninguem entender e poder ajudar ... isso vai se manifestar em alguma doença e dentre elas a anorexia...

A dor emocional se torna uma mal físico que pode não ter cura..

Pessoal vamos tentar viver uma vida melhor e ajudar quem já está vivendo este pesadelo a sair dele !!

Conto com vocês...

sábado, 20 de novembro de 2010

Palestra

Para ajudar a Sarah :

Sarah Letícia

Sarah é uma paciente de Valéria Soares, atualmente ela está com 10 anos , ela está em tratamento desde os 8 anos de idade com anorexia infantil em alto grau .A mais de 20 dias Sarah está internada, esse anjinho quase nos deixa e não sabemos por quanto tempo ela permanecerá no hospital(internada), sua família não tem condiçoes de pagar seu tratamento.

Anorexia é uma doença psiquica, o tratamendo é sofrido e demorado.

Hoje as pessoas ajudam à Sarah com doações, qualquer doação, juntos poderemos ajuda-la!

Banco Bradesco
Agência: 3154/2
Conta POUPANÇA: 1002000/0
Nome: Sarah Letícia Moraes de Lima

Fontes :

http://valeriasoares.com.br/

http://www.vnews.com.br/blog.php?id=40

http://mvjosino.blogspot.com/2010/11/sarah.html

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Maus Hábitos

Assisti o filme maus hábitos que retrata os disturbios alimentares, em especial a anorexia ele foi lançado em 2008 mas é interessante o objetivo do mesmo.

SINOPSE:

Matilde é uma jovem freira convencida de que a fé move montanhas. Ela secretamente inicia um jejum místico para impedir uma inundação que ela acredita estar por vir. Elena é uma mulher linda e magra que tem vergonha do peso de sua filha, Linda, e pretende fazer de tudo para que ela esteja linda no dia de sua Primeira Comunhão. Enquanto isso, Linda está disposta a se defender até a morte para escapar do orgulho da mãe e começa a comer escondido. Elena faz exercícios diariamente e não come . Ao mesmo tempo, Gustavo, o pai de Linda, redescobre o amor nos braços de uma estudante cujo apelido é Gordinha e que está igualmente apaixonada por comida. MAUS HÁBITOS é a história de três mulheres cujos hábitos alimentares determinam e dominam suas vidas de formas muito extremas.

É interessante você que já passou pela doença analisar o filme. Perceberá o sofrimento dos personagens e também o quanto é verdade que anorexia pode acabar com a vida de uma pessoa.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Rejeição

Mesmo após muito tempo de tratamento, mesmo após estar "curado", sabemos que as consequencias aparecem. Um dos medos que mais me perturbam, é o medo da rejeição. Na época da doença sempre fui rejeitada, fui excluída da sociedade pelas pessoas e a própria doença me afastou do mundo. Quantas oportunidades na vida perdidas? Quanta dor de não poder fazer oque as outras adolescentes com saúde faziam ?

è a minha adolescência não existiu, foi entre quatro paredes isolada do mundo. E agora como faço para voltar para o mundo ? Como faço para não sentir medo das pessoas ? Como não sentir rejeição ? Como se sentir seguro de que voccê não será ignorado ? Como posso ser normal ? Se antes sempre fui diferente ?

Alguem sabe ?

Alguem já viveu estes sentimentos ?

Como ter uma convivência normal ?

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Alimentação Saudável

Sei que a alimentação não algo que traz felicidade para pessoas com anorexia, mas é da alimentação que tiramos a energia para viver e sobreviver, por isso coragem. Esta postagem também serve para pessoas que buscam dicas de uma alimentação saudável.

Orientações nutricionais para uma alimentação saudável
:

- Faça pelo menos 3 refeições (café-da-manhã, almoço e jantar) e 2 lanches saudáveis entre estas. Não pule refeições.

- Inclua fibras na sua alimentação, como aveia , linhaça, pães integrais, soja, etc, pois ajudam na motilidade intestinal.

-Consuma legumes e verduras como parte das refeições e frutas nas sobremesas e lanches. São boas fontes de fibras, vitaminas e minerais.

-Coma feijão com arroz todos os dias ou pelo menos 5 vezes por semana. Esse prato brasileiro é uma combinação completa de proteínas e bom pra saúde.

-Consuma diariamente leite e derivados, são fontes de cálcio, importante para saúde dos ossos.

-Consuma carnes, aves, peixes ou ovos, retirando sempre que possível a gordura aparente das carnes e a pele das aves antes da preparação, isso torna os alimentos mais saudáveis.

-Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas e outras guloseimas.

-Substitua a gordura animal por óleos vegetais(canola, azeite extra-virgem, girassol, milho, soja, etc.)

-Diminua a quantidade de sal na comida e retire o saleiro da mesa.

-Beba pelo menos 2 litros (6 a 8 copos) de água por dia. Dê preferência ao consumo de água nos intervalos das refeições.

-Torne sua vida mais saudável . Pratique pelo menos 30 minutos de atividade fisica todos os dias e evite bebidas alcóolicas e o fumo.

Fonte: Josiane Dalpiaz (Estagiária de Nutrição - UPF)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Bailarinas

BailarinaSegundo o site Saúde em Movimento ,grande parte dos bailarinos profissionais , sofrem de algum distúrbio alimentar, devido a alta insatisfação com o corpo e, por isso, assumem comportamentos alimentares de risco, o que, muito provavelmente está ligado às exigências da profissão e não a características patológicas de determinada doença, como por exemplo anorexia nervosa. Esta é a conclusão de pesquisa feita com 61 bailarinos de uma instituição profissional de dança do Rio de Janeiro por Lena Ribeiro e Gloria da Veiga, do Instituto de Nutrição Josué de Castro da UFRJ.

De acordo com artigo publicado na edição de março/abril de 2010 da Revista Brasileira de Medicina do Esporte, "a grande preocupação com a aparência e a forma física e a constante pressão para manterem baixo peso corporal são fatores que levam a distorções da imagem corporal e tornam os bailarinos um grupo de risco para o desenvolvimento de transtornos alimentares".
Lembrando que a imagem corporal consiste no modo pelo qual o corpo se apresenta para cada indivíduo. Esta imagem padrão de cada pessoa é induzida por crenças, valores, culturas e como no meio profissional dos bailarinos onde o corpo magro e esguio é altamente valorizado a imagem é mais importante que o próprio peso.

Para avaliar os possíveis transtornos de imagem e alimentar, as autoras utilizaram os questionários EAT-26 (Eating Attitudes Test) e BITE (Bulimic Investigatory Test Edinburgh) e a escala de silhuetas de Stunkard em bailarinos clássicos de ambos os sexos - 39 mulheres e 22 homens. Os resultados apontam que 31 bailarinos , mais da metade, "gostariam de ter a silhueta menor que a autopercebida como usual". Além disso, comparados àqueles do grupo que estavam satisfeitos com sua forma física, as cientistas identificaram comportamento de risco alimentar 2,71 vezes maior entre os que desejavam uma silhueta menor que a usual e 2,64 vezes maior entre os que desejavam uma silhueta abaixo da considerada saudável, grupo em que predominaram os indivíduos mais jovens e do sexo feminino.

Para Lena e Glória, o fato de mulheres e pessoas mais jovens assumirem atitudes de risco alimentar para ter uma forma física considerada insalubre não caracteriza um estado patológico primário, mas sim questões estéticas vinculadas às exigências da profissão. "Entre pacientes com anorexia nervosa, o desejo de ter silhueta menor que a considerada mais saudável está ligado à própria doença, entretanto, entre os bailarinos, as exigências físicas da profissão podem estar impulsionando esse desejo".

Cuidado bailarinos e bailarinas , continuem com a arte da dança, mas também continuem com suas vidas !

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Fatos

Olá

Pessoal vocês sabem que as vezes ela é mais forte que nós, por isso para evitar sofrimentos como o que eu vou contar a seguir é necessário que as pessoas sejam informadas de que uma simples palavra pode causar dor , tristeza e recaída a um paciente anoréxico ou ex-anoréxico.

Fato que ocorreu hoje:

Uma ex-anoréxica feliz da vida em sua casa e sua mãe olha pra ela e diz:

-Como você está linda , com o rosto cheio GORDA !

Vocês acham que isso faz bem para a auto-estima ?

A resposta é não !!! è claro que não !

A pessoa vai pensar que está feia , que não vão gostar dela, a primeira sensação é de que não vai entrar em suas roupas e também começar a pensar como vai fazer para recuperar seu corpo que deve estar horrível...

Estas pessoas que falam da boca pra fora... não sabem o que estão fazendo !

domingo, 12 de setembro de 2010

Depoimento - Anemia - Sintomas

A seguir o depoimento de uma pessoa com anorexia:

Como começou: Bem.. Eu deixei de comer há 2 anos... Achava-me gorda e então só comia uma maçã (quando era!) por dia! Emagreci 7 quilos em 2 semanas! Fiquei felicíssima! Depois passado uns meses faleceu uma amiga minha e entrei em depressão! Perdi a fome... Mais tarde, passado uns meses, faleceu outro amigo... E fiquei ainda com menos fome! Com a escola (12ºano), exames, testes, pais a chatear a cabeça, namoros falhados, asma e o falecimento dos meus amigos, acabei por ficar sem comer... Comia pouco.. Quase nada! Há um ou dois meses fui á medica porque andava fraca.. E pronto! Anorexia e anemia... Não sei bem o que é anemia... Mas vi fotos e não gostei! Graças a Deus ainda tenho os meus dentes todos! =P Mas ando a ver mal (acho que é disso)... Quanto á anorexia, nem sei como ando! Mas ainda me vem o período! =) Mas graças á anemia tive uma infecção nos ovários! A anemia veio da anorexia e a infecção nos ovários da anemia... irra..

Eu sei que anoréxia é perigosa e que mata e tal.. Mas sou casmurra.. Que se há-de fazer???

A seguir os sintomas da Anemia :

-Fadiga
- Sensação de fraqueza.
- Baixa resistência às infecções.
- Taquicardia.
- Palidez e olhos amarelados.
- Sangramento na boca e gengivas.
- Urina escura.
- Vertigens e náuseas.
- Febres e suores.
- Perturbação da visão.
- Unhas fracas.
- Perda de peso e diarréia.

É pessoal temos que ficar alertas, uma doença leva a outra e estas podem acabar com a vida !

terça-feira, 7 de setembro de 2010

Contato

Olá pessoal..

O blog recebeu o seguinte comentário:

Olá! Sou jornalista e procuro alguma modelo que tenha tido distúrbios alimentares ou psicológicos porque começou a trabalhar muito jovem, para uma reportagem de rádio. A entrevistada não precisa se identificar na matéria, podemos colocar só a declaração, sem o nome.

Se alguém puder ajudar, por favor, entre em contato com: amanda@bandnews.fm.br

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Respondendo...

Olá

Em relação a pergunta deixada no comentário da postagem : Prevenção :

Primeiramente este blog foi criado, para demonstrar as pessoas que a Anorexia é uma doença.... Que as pessoas não fazem isso por que querem ou por vaidade ou pior porque são loucas.

O objetivo também é evitar que pessoas não passem por este pesadelo que é a anorexia, pois sabe-se que pode não ter volta . Ou haver a curra mas as recaidas podem acontecer.

O segundo principal motivo é que uma pessoa da equipe do blog já sofreu esta doença chegando a um estado terminal, mas graças a Deus conseguiu se salvar !

Este caso da sua mãe que você comentou é comum, pelo fato de as pessoas não conhecerem a doença, seus sintomas e o que deve ser feito para o tratamento.

Conheço um fato semelhante de que uma paciente chegou para sua mãe e disse:

_ Mãe eu não sei comer !!

E a mãe simplesmente respondeu come quando você tem fome ...

É isso não ajudou em nada... e o estado da paciente piorou a cada dia...

Meu objetivo então é esclarecer o que é a Anorexia que poucas pessoas conhecem e ajudar pessoas que podem estar entrando para este caminho que muitas vezes pode ser dificil de sair !

Obrigada por visitar o blog... Continue visitando, embora as atualizações sejam poucas... elas são importantes...

Já tive alguns retornos e depoimentos de que estou ajudando a salvar vidas e isto me deixa muito contente...

Para qualquer duvida poste um comentário...

Pelo que você escreveu no comentário posso lhe ajudar de alguma forma ?

Obrigada

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Prevenção

As lista abaixo pode ajudar a prevenir o aparecimento de um distúrbio alimentar:

- Aceite-se e aceite o seu corpo. Você não precisa ser igual ou se parecer com qualquer outra pessoa para ser feliz.

-Passe o tempo com pessoas que se aceitam como são, e não com pessoas preocupadas em ser magras.

- Coma alimentos nutritivos, com atenção aos carboidratos complexos (grãos, feijão, etc.), frutas frescas e vegetais, laticínios com pouca gordura e carnes magras.

- Coma em horários regulares diariamente. Não pule refeições. Se o fizer, terá maior chance de comer demais na próxima refeição.

-Evite farinha, açúcar e fast-food com altas calorias, como bolos, bolachas ou pães, que têm gordura e açúcar. Os bulímicos tendem a exagerar com esse tipo de alimento. Quanto mais comem, mais querem.

- Exercite-se moderada e regularmente. Se achar que está se exercitando excessivamente, faça um esforço para envolver-se em atividades sem exercícios com amigos e familiares.

- Encontre o sucesso no que faz. O seu trabalho, hobbies e atividades voluntárias promovem sua auto-estima.

- Aprenda tudo o que puder sobre os distúrbios alimentares, em livros e com organizações especializadas.

- Pais que querem ajudar a evitar o aparecimento de distúrbios alimentares devem promover um equilíbrio entre as necessidades de independência e de envolvimento familiar.

-Pais devem acreditar em seus filhos, quando estes pedem ajuda.

-Pais e amigos devem conversar e não discutir ! Procure ter uma boa relação com amigos e familiares.

-Leia mensagens motivacionais.

-Procure não se irritar com as atividades diárias , muito menos com pequenas bobagens.

-Se tiver necessidade de emagrecer, procure ajuda médica.

-Pais observem o comportamento dos seus filhos.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Tratamento

O tratamento da anorexia nervosa inclui:
-Diagnostico e cuidados médicos;
-Psicoterapia individual, familiar e/ou de grupo;
-Terapia Comportamental e Nutricional;
-Medicamentos antidepressivos são usados em alguns casos;
-Participação de grupos de apoio ;
-Hospitalização se a perda de peso for suficiente para deixar a pessoa com peso 25% abaixo do limite inferior do peso saudável e/ou está afetando o funcionamento de órgãos vitais.
O tratamento varia em método e em duração de acordo com o caso. Pode durar de semanas a anos.

Ou o pior pode acontecer a doença pode vencer o tratamento !

domingo, 18 de julho de 2010

O outro lado da obesidade

Hoje em dia fala-se tanto em obesidade, mas existem problemas contrários, que é a obsessão pela magreza, onde 20% dos casos segundo Marcos Muniz acabam em morte. A anorexia hoje já está presente em 43% da população brasileira , já e um problema grave de saúde pública tanto quanto a obesidade.

O grande inimigo dos anoréxicos é o espelho, que converte cada caloria em uma tortura, o culto excessivo a magreza e o medo mórbido de engordar, faz com que a fome, o uso de laxantes e a indução de vômito são experiências de alívio e até de prazer.

Transtornos alimentares estão sempre fora da mídia, surgem sempre quando morre alguém famoso ou ocorre algum fato que provoque discussões, como no caso em que a fotografa alemã Ivonne Thein lançou uma campanha polêmica com fotos de meninas magérrimas, foto que está nesta postagem. O objetivo é propor um novo debate sobre a busca obsessiva pelo corpo ideal, que pode resultar em morte.

A anorexia é uma doença feminina, embora o problema esteja crescendo também no universo masculino. Para cada 20 mulheres com anorexia, um homem apresenta a mesma doença. Uma pista de que é crescente o número de jovens adoecendo em nome da magreza está na internet. Existem dezenas de sites e blogs a favor da anorexia e da bulimia, inclusive com grupos de discussão que incentivam a parar de comer. Na rede, as anoréxicas se chamam de Ana e, as bulímicas, de Mia.

A anorexia é descrita na literatura médica desde 1689 como uma atrofia nervosa que resulta em ausência de apetite. A pessoa faz jejuns prolongados ou ingere pouquíssimas calorias.

A bulimia deriva da expressão “fome de boi”. Geralmente, a pessoa come compulsivamente e depois vomita ou usa laxantes para evitar engordar.

Nos dois tipos de distúrbios, a característica mais marcante é a visão distorcida do próprio corpo, explica a psicóloga Rejane Tomatis Pacheco, do Centro de Reeducação Alimentar (Creeo), de Caxias do Sul. A pessoa se acha gorda, mesmo que esteja magérrima. Há estudos na psiquiatria em que as pessoas doentes devem apontar uma foto de mulher com a qual se identificam. Anoréxicas e bulímicas sempre apontam a imagem de uma pessoa mais gorda. Nos dois transtornos, o processo de emagrecimento começa com uma dieta aparentemente normal, que evolui para um controle excessivo na alimentação ou para abusos seguidos de atos compensatórios, como vômito. Até 50% dos pacientes anoréxicos desenvolvem sintomas bulímicos, segundo a Associação Brasileira de Transtornos Alimentares. Alguns pesquisadores descrevem que a pessoa anoréxica é bem-sucedida na busca pelo seu ideal de corpo magro, enquanto que a bulímica seria o fracasso da anorexia.

Os dois transtornos sofrem influência da cultura da magreza, mas a cobrança social por um corpo magro é apenas uma parte do problema. Há um forte componente genético, cujo mecanismo não se conhece com clareza, que contribui para o desenvolvimento desses distúrbios.

Uma pessoa sem predisposição à anorexia poderia aguentar um dia sem comer, mas logo se renderia à fome.

Alguém sem predisposição à bulimia poderia induzir o vômito para compensar exageros na alimentação, mas a atitude não seria motivo de alívio. Causaria desconforto, nojo, e não se repetiria.

Os padrões sociais acabam se associando a fatores internos. Transtornos alimentares têm relação com distúrbios na formação da personalidade e do amor próprio . Pessoas com propensão a distúrbios alimentares focam suas vidas na comida, mesmo quando o objetivo é não comer.

Embora sejam consideradas a cara e a coroa de uma mesma moeda, a anorexia e a bulimia atingem pessoas com estilos de vida bem diferentes, segundo a psicanalista Rosita.

As anoréxicas são perfeccionistas, introvertidas e rígidas consigo próprias. Muitas vezes, a família só se dá conta do problema quando flagra a menina com pouca roupa, o corpo transformado em pele e osso. Em geral, elas têm conflitos de feminilidade, querem ser magras, não bonitas, querem ser meninas, sem peito, sem bumbum, não querem virar mulheres .

Já as bulímicas não chamam a atenção pela magreza e, por isso, conseguem camuflar a doença por muito tempo. Elas costumam ser extrovertidas e impulsivas em relação a vários aspectos, como amor e negócios.

Na vida social, as vítimas de anorexia e bulimia também assumem comportamentos diferentes. As anoréxicas costumam evitar encontros que envolvem comida. Quanto mais as pessoas insistem para que coma, mais se isolam. Ao atingir um estágio de extrema magreza, passam a usar roupas largas. As bulímicas vivem a contar calorias mas, em momentos de compulsão, dão preferência a carboidratos e doces hipercalóricos. Depois das refeições, passam bastante tempo no banheiro, para induzir o vômito.

Considera-se anoréxica uma pessoa que está entre 10% e 15% abaixo do peso médio correspondente à idade, ao sexo e à altura. Mas é claro que magreza não significa necessariamente anorexia existem pessoas que são magras e saudáveis. No caso da bulimia, o distúrbio incide mais em mulheres que se cuidam de forma obsessiva. Existem casos de bulímicas que sofrem com excesso de peso porque, mesmo com a indução do vômito, o organismo não elimina todas as calorias ingeridas em um curto período de tempo.

A sugestão seria que os pais acreditem em seus filhos quando pedirem ajuda e que as secretárias de saúde fizessem palestras para que todas as pessoas tenham conhecimento da doença.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Algumas Consequências

As mulheres anoréxicas ou ex-anorexicas podem desenvolver osteoporose na idade adulta devido a falta de cálcio e a diminuição do estrogênio quando param de menstruar.

OBS: estrogênio = Hormonio Feminino

Também anoréxicos podem ter danos severos no coração e outros orgãos vitais devido a perda excessiva de peso e o desequilibrio dos minerais presentes no corpo, iso devido aos vômitos provocados e da própria desnutrição.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Necessidades

Sentimentos Anorexia Anorexia é uma forma de auto-inanição é um tipo de distúrbio alimentar onde a pessoa sente:

-Baixa auto-estima;

-Medo de comer e engordar;

-Dificuldade de identificar como é sua imagem corporal;

-Depressão;

-Dificuldade de convivência com os familiares;

-Comportamento auto-destrutivo;

-Auto-punição por erros imaginários;

-Surgimento de doenças devido a desnutrição;

-Preocupação anormal com a comida;

-Deseja perfeição em tudo que faz;

-Deseja perfeição da imagem corporal;

-Necessidade de ser perfeito para ganhar atenção das pessoas;

-Depressão mais intensa que bulimicos;

-Mágoas frequentes por qualquer motivo;

-Irritabilidade;

-Sensibilidade com os acontecimentos do dia a dia ;

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Necessito sobreviver

Ninguém consegue perceber seus lindos olhos azuis. É que o maior destaque dessa modelo hoje são seus seios murchos, a pele como um véu sobre os ossos e as escaras e manchas que se espalham por todo o corpo. Não era essa a imagem que Isabelle Caro, 25 anos e apenas 32 quilos, queria retratar, mas é a única que pode oferecer desde 12 anos atrás, quando começou a desenvolver a anorexia que consome seu corpo.

Isabelle ficou conhecida no mundo inteiro, em plena semana da moda de Milão, através das lentes do polêmico fotógrafo Oliviero Toscani. Os outdoors para a grife italiana No-L-Ita estão protagonizando debates sobre a anorexia. A imagem da modelo nua escancara a dura realidade de quem sofre dessa desordem alimentar e psicológica.

Em entrevista a uma rede de televisão espanhola, a modelo disse que chegou a pesar 25kg, quando teve que se mover em cadeira de rodas. Ficou internada várias vezes, teve que ser alimentada por sondas, mas só se deu conta de que sofria uma doença muito grave quando entrou em coma e viu que era “um cadáver vivo”, como se descreve. Ela disse que hoje se obriga a comer. Seu organismo está tão alterado, que os fios de cabelo se quebram antes de crescer. Perdeu dois dentes e quase não enxerga pelo olho esquerdo. Não menstrua há sete anos, e os médicos não sabem se um dia poderá gerar um filho. Ao mesmo tempo, diz que o maior castigo que poderia sofrer seria ter uma filha anoréxica, porque sabe o sofrimento que causou à sua mãe.
Isabelle diz que teve uma infância cheia de traumas. Uma tia se suicidou, o pai abandonou a casa, e a mãe era ultraprotetora, o que lhe tornou uma menina insegura, sem amigos e que nunca se atreveu a ter um namorado. Por muitos anos, responsabilizou sua mãe por todos os seus problemas. “Minha mãe não me deixava conhecer ninguém, e eu só podia sair de casa uma vez por ano, para visitar meus avós” e foi muito difícil convencê-la de que o melhor para as duas era que vivessem separadas e hoje escreve um livro com a intenção de que sua mãe lhe entenda e lhe perdoe.

Foi então que essa francesa fugiu de Paris e foi à Cannes. Estudou música e teatro e gostava de interpretar papéis para “mudar de pele e de realidade”. Nessa cidade, conheceu uma outra anoréxica, que estava se tratando com um psiquiatra. Ela tinha sempre a sensação de que necessitava castigar-se por algo. Sentia culpa por existir e pela depressão de sua mãe. Hoje, vive uma rotina de exames semanais e tenta recuperar sua auto-estima no momento em que tem menos motivos para senti-la.

Em toda a Europa, é grande a discussão gerada pela campanha de Toscani. Dizem que ele fez um trabalho para se promover às custas do sofrimento de milhares de jovens que, em busca do corpo perfeito, padecem de anorexia. Isabelle o defende. A modelo, que doou todo o seu cachê para uma associação de tratamento da anorexia, disse que uma anoréxica, mesmo que não se veja magra, reconhece a magreza dos outros. E que, por isso, espera que a sua possa chocar essas meninas, fazendo-as refletir.

“Não sigam seu caminho, vejam onde cheguei com minha idiotice”.

A modelo concluiu sua entrevista respondendo sobre sua meta para o futuro:
“Sobreviver. Necessito sobreviver”.

sábado, 19 de junho de 2010

Mortes na Itália

Hoje a anorexia e a bulimia são a principal causa de mortes de jovens de 12 a 25 anos na Itália, confirmado por um estudo realizado pela Sociedade Italiana para o Estudo dos Transtornos Alimentares (Sisdca). Entre 150 e 200 mil mulheres italianas sofrem com algum tipo de transtorno alimentar, explicou o conselheiro da instituição, Roberto Ostuzzi, ressaltando que a maior preocupação é o risco destas patologias se tornarem crônicas, o que pode levar à morte.

A Sisdca também afirma que 10% dos suicídios e dos problemas psíquicos são causados por uma má alimentação. Na Itália apenas 1% das pacientes têm acesso ao chamado Tratamento Sanitário Obrigatório (TSO), que é ‘uma forma de terapia coerciva que às vezes é necessária para salvar a vida do paciente’.

terça-feira, 15 de junho de 2010

Horas para Viver

Durante sua graduação Mandy Kaye treve o mundo em seus pés, isto é sua vida em suas mãos, logo no início de seu curso teve vários desafios, não só o acadêmico, mas também teve anorexia e devido a esta iniciou uma grande batalha sendo forçada a parar o seu curso.

O médico diagnosticou poucas horas para viver , pois estava em uma rigorosa dieta do café, tomates, cerejas e maças, estando muito abaixo de seu peso.

Mandy se salvou e recebeu seu grau e diz que jamais quer voltar ao passado, pois está começando novamente sua vida. Também diz que olha suas fotos passadas e jamais quer ser como antes.

Ela diz que não estava preocupada com ela começou perder peso, nunca pensou que era gorda mas a anorexia tomou conta dela.

Ela ficou um mês internada e voltou para casa pois estava bem, mas a anorexia voltou e ela deveria ficar internada por mais um tempo, sem poder estudar ela somente pensava em seu peso, por isso mesmo internada continuava emagrecendo.

Disse: “Eu beberia o café o dia inteiro, a seguir na meia-noite eu comeria um punhado de tomates de cereja e duas maçãs. Eu fui reduzindo os alimentos.”

Encontrei um amor pra mim ‘diz ela’ , ele disse que ela era linda e então ela depositou toda sua confiança nele. O sonho dela é tornar-se terapeuta, é acreditando em seu sonho e no seu amor que recuperou aos poucos seu peso.

Boa Sorte para você e muita força ! Parabéns pela sua vitória.



sexta-feira, 11 de junho de 2010

A história de Juliana

Sentimentos de inferioridade, depressão, insônia, anorexia e bulimia são problemas que certamente comprometem a vida de qualquer pessoa. O que dizer, então, de uma criança. Quando passou a sofrer com essas doenças e sintomas Juliana Mantovani tinha apenas 11 anos. Ela diz :
-“Antes eu era uma criança normal, saudável e comunicativa. As pessoas diziam para minha mãe que queriam ter uma filha igual a mim”

Segundo Juliana a partir daí as doenças começaram a surgir. Por causa da constante insatisfação com o próprio corpo ela se sentia culpada quando comia até que começou a provocar vômito para não engordar. Com o tempo o próprio organismo passou a rejeitar os alimentos “Nesse período cheguei a pesar 37 kg”, comenta.

Paralelo as crises de bulimia e depois anorexia, Juliana tinha ainda depressão, insônia e nutria muito ódio da mãe. “Quando discutíamos, eu tentava agredir a minha mãe com empurrões, e o pensamento de morrer era constante”, enfatiza.
O ódio que sentia de si mesma fez com que várias vezes cortasse com caneta, faca e tesoura o próprio corpo. Por conseqüência da anorexia Juliana ficou internada por 15 dias em estado grave, período em que também recebeu acompanhamento psiquiátrico.

A equipe médica não alimentou a esperança dos pais quanto a recuperação da filha já que o caso era idêntico ao de outras duas pacientes que vieram a falecer.No limite do desespero a mãe de Juliana, Eliana da Silva Ribeiro, 46, ainda recorreu a casa dos encostos, sem sucesso. Então, foi à Corrente dos 70, na Igreja Universal do Reino de Deus, como última alternativa. Lá, encontrou a solução.

Hoje com 19 anos, Juliana, reconhece que teve uma nova chance, foi curada pela fé: “A perseverança de minha mãe foi fundamental. Além da minha cura foi possível restaurar a convivência da família. Hoje tenho saúde e paz interior”.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Anorexia Nervosa

Patologia associada à baixa autoestima, possui como principal característica a recusa do paciente em se alimentar regularmente. O anoréxico geralmente se acha gordo ou tem um medo incontrolável de engordar, por isso tenta controlar, de forma obsessiva, a quantidade de alimentos que ingere.

Considera-se anoréxico quem está entre 10% a 15% abaixo do peso médio correspondente à idade, sexo e altura. Mesmo assim, deve-se manter atenção constante nos hábitos alimentares, pois a privação de alimentos, mesmo que a pessoa ainda esteja dentro do peso, é prejudicial à saúde e em pouco tempo pode causar anorexia.

Em alguns casos, os anoréxicos comem em quantidade normal na refeição, mas, para compensar, passam longo tempo em jejum. Na maioria das vezes, buscam alguma justificativa para não comerem ou então apenas alegam a falta de apetite. Existem aqueles que não se acham gordos, mas que vivem um caos emocional. Estes têm medo de perder o controle sobre a quantidade de alimento que ingerem e passam a se controlar severamente.

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Riscos

Sabe-se que a insatisfação com o corpo é um dos principais motivos para a incidência da anorexia, estudos vêm mostrando que o descontentamento com o físico está começando cada vez mais cedo.

Um estudo realizado em 2007 pelo Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) indicou que entre os 1.183 alunos de 6 a 18 anos, matriculados no ensino fundamental e médio de 20 escolas em Belo Horizonte, apontou que 62,6% estavam insatisfeitos com o próprio corpo, embora mais de 80% do total estivesse dentro do peso normal. Cerca de 34% gostariam de ser mais magros e 29% de ganhar peso. Entre os insatisfeitos, 32% eram homens e 30,6% mulheres.

“O que mais chama a atenção é que não houve diferenças estatísticas significativas de acordo com a idade. O nível de insatisfação corporal foi praticamente o mesmo entre as crianças de 6 anos e os adolescentes de 18 anos”, disse Ana Elisa Ribeiro Fernandes, médica pediatra e autora do estudo, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo.

O problema é mais comum nos jovens pela formação da personalidade, pela pressão que sofrem e por buscarem uma inserção em grupos; entretanto, especialistas também alertam para a anorexia em idosos, principalmente por ser mais fatal e representa 78% das mortes pela doença

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Autoestima

anorexia em homensA baixa autoestima é um dos principais fatores da anorexia , muitas vezes adolescentes ou crianças obesas veem na perda de peso um meio para se sentirem bem aceitos pela sociedade, mas muitas vezes o culto ao corpo ultrapassa o limite do bom senso e da saúde, levando a transtornos alimentares como a anorexia uma das principais causas de morte das mulheres entre 11 e 20 anos em todo mundo.

Acredita-se que uma em cada 250 brasileiras tenha anorexia ou bulimia. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirmou, em 2000, que de 1 a 2% das adolescentes sofriam com pelo menos uma dessas enfermidades. Hoje, estima-se que o número possa chegar a 5% e o conceito de que é uma doença tipicamente feminina está sendo mudado.
O Ambulatório de Bulimia e Transtornos Alimentares (Ambulim) do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo (IPq-USP) divulgou esta semana que o número de homens que procuram ajuda para superar transtornos alimentares está aumentando. Em 2008, eles somaram 18% dos atendimentos no Instituto e o alerta é que esse é um retrato em todo o País.

De acordo com o psiquiatra Alexandre Pinto de Azevedo, do Ambulim, uma das dificuldades encontradas para o tratamento masculino é o preconceito em aceitar ser portador de uma doença conceituada erroneamente como exclusivamente feminina. A psiquiatra Paula Melin, do Núcleo de Transtornos Alimentares e Obesidade (Nuttra), no Rio, diz que vivemos uma mudança no padrão de beleza masculino, mesmo processo que aconteceu com as mulheres décadas atrás. “O corpo esguio, com músculos definidos, passou a ser mais cobrado dos homens. Um dos inúmeros dados que mostram concretamente essa mudança é o aumento de anúncios e artigos sobre beleza e tratamentos estéticos nas revistas masculinas”.

Mas vale lembrar anorexia não escolhe sexo, nem idade !

terça-feira, 4 de maio de 2010

Combate a Anorexia

Estão sendo realizados movimentos contra anorexia nos Estados Unidos, tudo iniciou devido aos sites pro-ana e pro-mia que são sites onde anoréxicas e bulimicas postam mensagens, frases e depoimentos defendendo seus estilos de vida o que na verdade não é pois são doenças graves que elas não sabem que estão vivendo.

Uma das iniciativas maiores foi , o “Body Project” que reuniu mais de 1000 adolescentes para explicar como elas têm comprado a ilusão de que só as magras são felizes. Elas são encorajadas a pensar e a escrever sobre o assunto. Em uma fase seguinte, os movimentos fazem atos antitranstornos para chamar a atenção, por exemplo colocam bilhetes com a mensagem “ame seu corpo como ele é” em livros de dieta e revistas de moda nas livrarias, escrevem mensagens positivas no espelho das escolas e enviam cartas de protesto para fabricantes de bonecas com medidas desproporcionalmente magras.

Também criaram blogs com chats onde reuniam meninas todas as semanas acompanhadas por um psicólogo para conversar sobre alimentação saudável

Resultados

A equipe da universidade acompanhou as meninas do grupo que tinham risco de desenvolver transtornos alimentares, por apresentarem problemas ou preocupações com seu peso. “Sua auto estima dependia muito de como elas se sentiam sobre sua forma e peso”. A iniciativa deu resultado, pois a maioria das meninas de alto risco não desenvolveu a doença. A constatação é surpreendente porque a anorexia é uma armadilha tão grande que muitas vezes as iniciativas de prevenção dão o resultado oposto.

É preciso ter cuidado até para combater a anorexia, afirma Táki Cordás, da Universidade de São Paulo, um dos maiores especialistas brasileiros no assunto. “Às vezes, uma menina que nem pensou nisso assiste uma palestra na escola contra anorexia e bulimia e pensa ‘nossa, mas essa é uma boa idéia para eu perder aqueles dois quilos’”, explica. Desde que haja o acompanhamento de um profissional, fazer as mulheres conversarem sobre isso e apóia-las é uma boa coisa.

A pesquisadora americana lembra o perigo dos sites pró-anorexia e pró-bulimia. “Estudos já mostraram que esses sites fazem mulheres saudáveis saírem com sensações ruins sobre sua imagem corporal e baixa auto estima”, disse ela. “Ainda não sabemos se as iniciativas antitranstornos realmente podem conter esse efeito, mas já detectamos que eles ajudam as mulheres que se sentem mal sobre si mesmas a ficarem um pouco melhor”, diz ela.

O especialista brasileiro defende há anos que os provedores da internet tirem essas páginas do ar. Mas reconhece que hoje o tamanho delas é muito menor do que já foi no passado. “O que sabemos, informalmente, é que as grandes líderes desses movimentos acabaram morrendo”.

A doença geralmente surge inocentemente com uma dieta que não parece ser um problema. Depois cresce e toma conta da vida da pessoas. No caso das anoréxicas, elas podem definhar até a morte, mas se recusam a comer. Os pesquisadores afirmam que para evitar a doença, a proximidade dos pais é fundamental. É recomendado que pelo menos uma refeição do jovem seja feita na presença da família. No caso de qualquer suspeita, é preciso o acompanhamento de um psiquiatra.

Eu acho que os blogs contra anorexia não devem ser extintos, pois conheço pessoas que usam estes blogs para desabafar sua triste realidade, a qual não consegue se livrar.

Os blogs contra anorexia devem procurar mostrar soluções para ajudar estas pacientes a sobreviver a ter uma vida normal... afinal nesse mundo tudo deve ter prós e contras se não não viveremos.

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Doença do Século

A doença do século, uma doença complicada, que envolve componentes psicológicos, fisiológicos e sociais. Uma pessoa anoréxica pode ser também e é uma doença que afeta sobretudo jovens adolescentes, do sexo feminino, no Mundo Ocidental. Um dos grandes problemas de quem sofre desta doença é que, por mais magro que seja, vê-se sempre gordo ao espelho. A taxa de mortalidade da anorexia nervosa é do aproximadamente 10%, uma das maiores entre qualquer transtorno psicológico. Lembram-se dos prisioneiros do campo de concentração de Auschwitz?

Agora imaginem pessoas que, de livre vontade, chegam a comer apenas METADE da comida que os prisioneiros de Aushwitz comiam... ????

Diga algo o que vc acha ?

sábado, 10 de abril de 2010

Mulheres

Por que os Transtornos Alimentares aumentaram e acometeram preferentemente as mulheres?

Dos séculos XVII a XIX a Anorexia Nervosa recebia nomes de Anorexia Histérica, Apepsia Histérica e Compunção Nervosa, com inúmeras descrições científicas de autores famosos, como Morton (1689), Gull (1874) e Lassegue. Nestas épocas esse transtorno era considerado próprio de mulheres. Em 1914 o doutor Simmonds descreveu este transtorno com o nome de Caquexia Hipofisária, ressaltando que era uma doença que acometia mulheres no pós-parto, as quais começavam a perder peso e acabavam morrendo. Em 1939, Otto Sheehan realizou o diagnóstico diferencial entre Caquexia Hipofisária (de origem eminentemente orgânica) e a Anorexia Nervosa. Para entender porque vem aumentando a incidência dos Transtornos Alimentares e porque eles têm especial predileção pelo público feminino, temos que entender a "História do Comer Mal" e a "História do Valor da Magreza".

A partir de 1925, os padrões de beleza feminina mudaram totalmente. Desapareceram os tais espartilhos do vestuário feminino, e a mulher começa a mostrar seu corpo de outra maneira. Neste ano apareceu pela primeira vez os figurinos de moda, nos quais se prega uma estilização progressiva. Essa mudança coincide com a incorporação da mulher ao esporte e começa a moda de mulheres delgadas. Esta nova exibição do corpo feminino é definitivamente contínua e progressiva, fazendo com que a mulher se preocupe mais com sua estética corporal visível, a qual passa a ser objeto de observação e crítica sociais. Entretanto o modelo de beleza dos anos cinqüenta, como fora Marilin Monroe ou Ava Gadner, continua sendo representado por uma mulher mais cheia de curvas, mais palpável mas não gorda. E, a contar pelo entusiasmo que a imagem de Monroe provoca ainda hoje, há razões para crer-se que boa parcela da população masculina tem essa mesma preferência. Mas parece que as mulheres estão se importando cada vez menos com as preferências masculinas...

A partir dos anos 50 aumenta a preocupação com os Transtornos Alimentares. Começa o estudo das diferentes tendências de pensamento sobre esses transtornos, não só das idéias representadas pelos fatores biológicos e psicológicos, senão também dos elementos sociais e educativos que influenciavam a nova cultura da magreza. O papel da mulher também passa a ser melhor analisado a partir dos anos 60, não só em relação à moda, mas também em relação à mudança social que se produz a partir de sua incorporação no panorama ocupacional. Suspeita-se que dessa ocasião o surgimento de algumas dietas errôneas. Para isso contribuíram alguns fatores da cultura da época, tais como, a ausência de uma pessoa que se responsabilize pelos horários familiares de comida (papel tradicionalmente atribuído à mãe), o desaparecimento do hábito de comer em família e supressão de lanches e da ceia.Todas essas alterações da conduta alimentar sofreram ainda a influência dos diferentes estilos de vida que surgiam em conseqüência das jornadas prolongadas de trabalho tanto para homens como para mulheres, das dificuldades para traslados dos bairros distantes para os centros de trabalho e do frenético ritmo urbano que propiciava a necessidade de se comer fora de casa.

Portanto, as facilidades para se alimentar mal, juntamente com a cultura do emagrecimento, podem ter favorecido o aumento dos Transtornos Alimentares. E eles se tornaram mais comuns entre as mulheres, talvez porque a cultura da magreza fosse mais forte entre elas. Uma das características da Anorexia e da Bulimia é o medo patológico e obsessivo de engordar , juntamente com um peculiar transtorno do esquema corporal. Todas as estatísticas apontam que 90% das pessoas portadoras de Transtornos Alimentares são mulheres e, entre elas, aquelas com idade entre 14 e 18 anos, embora, hoje em dia, cada vez mais essa idade venha decrescendo perigosamente para meninas menores de 12 anos. Os padrões de beleza atuais e a rejeição social à obesidade feminina fazem com que as adolescentes sintam um impulso incontrolável de estar tão delgadas como as "top models" que a publicidade e os meios de comunicação apresentam diariamente no glamour da glória e do sucesso.

As mensagens educativas dirigidas às jovens estimulam, sobretudo, que estas sejam muito responsáveis para conseguir êxito na vida social, profissional e familiar. Portanto, seguindo essas regras, não é casual que o perfil da jovem anoréxica seja preferentemente de uma menina responsável e estudiosa, que deseja realizar corretamente seu relacionamento social e que tenha um perfeccionismo exagerado. Um dos requisitos para se ter êxito e aceitação social é ter um físico apropriado, portanto, pelos valores culturais é estar magra. A perda de peso, condição para se estar magra, pode realizar-se com vontade e esforço, portanto, é aqui que a jovem pode começar a ser responsável, meritosa, participativa e, incrivelmente magra. Nos países industrializados, aos 15 anos de idade, uma a cada quatro meninas fazem regime para emagrecer, sem que, em quase nenhum caso, se constatem problemas de peso acima de uma faixa de normalidade. Respondendo a pergunta se "você se vê gorda, mesmo que os outros te vejam magra?", 58 % das meninas de 15 anos contestaram afirmativamente a opinião dos outros que as consideravam normais, magras ou não gordas. Seria esse um indício de Distorção do Esquema Corporal?

É muito curioso observar que as lésbicas têm um índice de Transtornos Alimentares tão baixo quanto dos meninos, enquanto os meninos homossexuais têm este índice próximo ao das meninas. Não obstante, existe um fundo de perfeccionismo corporal latente, tanto em meninos como em meninas, mas os homens têm alguns modelos mais masculinizados. É neste ponto que surge, atualmente, uma nova doença chamada Vigorexia, que consiste numa obsessão para atividade física exagerada nos meninos, especialmente em academias. Nesses casos, mais ou menos como acontece na Anorexia das mulheres, pode haver também alguma alteração no esquema corporal, de tal forma que, apesar de sua evidente massa muscular, eles se olham no espelho e se vêm enfraquecidos. O impacto entre a população adolescente de programas de TV, sobretudo das novelas para jovens e dos vídeos musicais, influi fortemente nestas tendências supermusculares. Por outro lado, ao contrário do que podem pensar muitos, a Anorexia e a Bulimia não são doenças de meninas tontas que desejam ser magras esses Transtornos Alimentares acometem pessoas com perturbações emocionais e que precisam muita ajuda.

quarta-feira, 31 de março de 2010

Mais sobre drunkorexia

Drunkorexia, ou anorexia alcoólica termo criado nos EUA para definir o alcoolismo associado a distúrbios alimentares. Este distúrbio é muito comum entre jovens e adultos de idade entre 20 e 40 anos, que ingerem bebidas alcoólicas no lugar da refeição. O ato restringe a absorção de calorias necessárias ao corpo humano sob o objetivo de manter um visual esbelto e na moda. Entre as celebridades artísticas o costume da “drunkorexia”, além de causas estéticas, é impulsionada por cobranças do mercado, angústias e compulsões profissionais. Neste transtorno alimentar as pacientes (porque a maioria é mulher) bebem em vez de comer para emagrecer. Elas transformam a obsessão pela magreza em uma compulsão pela bebida.

Sabe-se que além da anorexia o numero de pessoas com drunkorexia está crescendo, não só devido a supervalorização da magreza e dos inatingíveis padrões de beleza, muitas meninas acabam se tornando drunkorexicas por questões mais complexas, e internas, como trauma ou transtorno psicológico. Muitas são depressivas e uma parte considerável foi abusada ou negligenciada na infância.

Segundo a OMS ( Organização Mundial de Saúde), o alcoolismo atinge de 10% a 12% da população mundial. Equilibrar o peso do corpo através da bebida é o mesmo que realizar uma dieta forçada e depois cair no efeito sanfona ( alternância periódica de peso ).

Estudos psiquiátricos revelam que o alcoolismo feminino está associado a transtornos psicológicos relacionados à anorexia, bulimia, depressão e ansiedade. O álcool anestesia emoções ruins como a frustração, e no caso da “drunkorexia”, reduz o apetite. No funcionamento orgânico beber com estômago vazio acelera os efeitos do álcool.

Beber sem moderação pode vir a causar doenças no sistema digestivo e , em certos casos, no sistema sangüíneo, além de outros males. Beber demais ainda causa perda de reflexos, principalmente para o motorista em trânsito.

Há cerca de um ano, o New York Times fez uma matéria sobre o assunto. Nela, uma jovem dizia que bebia para ficar mais calma. “O álcool tira minha ansiedade. As duas coisas caminham juntas. Quanto mais eu bebo, mais eu entro no meu distúrbio alimentar, e vice-versa”. Em uma comunidade extinta do Orkut, uma jovem dizia que se sentia mais magra quando estava bêbada.

sexta-feira, 26 de março de 2010

O que é Drunkorexia ?

A doença que está sendo mostrada na novela Viver a Vida pela personagem Renata interpretada por Bárbara Paz . A Drunkorexia é uma variedade da anorexia , onde as anoréxicas buscam inibir o apetite usando o álcool, mas também pode acontecer o contrário, um alcoólatra desenvolver transtornos alimentares.

É uma mistura de comportamentos que envolve restrição alimentar, compulsão, vômitos e o consumo excessivo de álcool. As pessoas com este tipo de distúrbio passam fome para compensar as calorias do álcool que consomem ou quando exageram na comida e no álcool provocam vômito para eliminar os excessos. Segundo pesquisadores, a drunkorexia costuma surgir em pessoas que já possuem algum trauma ou transtorno psicológico. O álcool costuma ser usado para aliviar a dor e a ansiedade causadas pela fome. A droga mais procurada por quem sofre de transtornos é o álcool.

É importante saber que um grama de álcool fornece 7 kcal, o que é quase o dobro do valor calórico de um grama de carboidrato ou proteína, perdendo somente para a gordura que possui 9kcal por grama. Algumas pessoas tem o perfil de pular refeições e fazer jejum nos dias de festa ou de encontros com amigos, para que assim possa beber à vontade, mas deve-se tomar cuidado com estas atitudes.

No Brasil não há estudos sobre a drunkorexia. Em outros países constataram que o uso de álcool entre pessoas com transtornos chega a ser maior do que entre pessoas saudáveis. Também observa-se que as chances aumentam em mulheres. De acordo com alguns psicólogos os transtornos alimentares geralmente estão relacionados com a necessidade de entorpecer alguma dor emocional. Os distúrbios são muitas vezes conduzidos por traumas de infância como abuso sexual, negligência e outras fontes de angústia mental.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Comer Compulsivo

Outro Transtorno Alimentar bem diferente da anorexia é o comer compulsivo onde os pacientes apresentam episódios de voracidade fágica (episódios bulímicos) mas sem se utilizarem de métodos purgativos depois, como acontece na Bulimia Nervosa.

No Transtorno do Comer Compulsivo também não há preocupação mórbida e irracional com o peso e a forma do corpo. Estes pacientes são na maioria das vezes obesos e parecem se distinguir de obesos que não apresentam esses episódios de comer compulsivo por apresentarem mais co-morbidade psiquiátrica e pelo fato da obesidade ser de maior gravidade. O transtorno do comer compulsivo acomete três mulheres para cada dois homens e tem uma prevalência de 2% na população geral e de 30% entre as pessoas obesas que procuram tratamento para emagrecer.

As pessoas com este transtorno apresentam freqüentes crises, durante as quais sentem que não podem parar de comer. Comem depressa e às escondidas, ou não deixam de comer o dia todo. Apesar desses pacientes se sentirem culpados e envergonhados por sua falta de controle, eles não apresentam atitudes compensatórias e compulsivas (vômito, laxantes...) típicas dos pacientes com Bulimia e Anorexia. Normalmente eles têm um histórico completo de fracassos em diversas dietas e regimes para emagrecimento. Normalmente são pessoas depressivas e obesas. Esta compulsão alimentar incontrolável leva os pacientes a ingerir quantidades exageradas de alimentos em um curto espaço de tempo. Estes ataques de comer ocorrem com uma freqüência mínima de 2 vezes por semana para que seja diagnosticada a síndrome.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Síndrome de Prader-Willy


A Síndrome de Prader-Willi é mais um tipo de transtorno alimentar, um defeito que pode afetar as crianças independentemente do sexo, raça ou condição social, de natureza genética e que inclui baixa estatura, retardo mental ou transtornos de aprendizagem, desenvolvimento sexual incompleto, problemas de comportamento característicos, baixo tono muscular e uma necessidade involuntária de comer constantemente, a qual, unida a uma necessidade de calorias reduzida, leva invariavelmente à obesidade.

Essa Síndrome deve seu nome aos doutores A. Prader, H. Willi e A. Labhart que, em 1956, descreveram pela primeira vez suas características. Acredita-se que haja um bebê com a síndrome para cada 10.000-15.000 nascimentos.

É um problema congênito associado à um tipo de retardo mental. Essas pessoas não têm controle ao aceso à comida, comem sem parar até que acabam morrendo. Parece estar relacionado com um mau funcionamento do hipotálamo. O Prozac ajuda controlar o problema que, de momento, não tem cura.

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Pica

Um transtorno alimentar que as vezes é impossível acreditar, mas existe:

As pessoas com este transtorno se sentem impulsionadas a ingerir sustâncias não comestíveis: sabonete, argila, gesso, casquinhas de pintura, alumínio, cera, tijolo, etc. Trata-se de uma condição rara onde existe apetite por coisas ou substâncias não alimentares, como por exemplo, terra, moedas, carvão, sabonete, giz, tecido, etc. ou uma vontade anormal de ingerir produtos considerados ingredientes de alimentos, como diferentes tipos de farinha, batatas cruas, milho, mandioca, etc.

Para o diagnóstico de Pica esse fenômeno precisa persistir pelo menos por um mês. O nome pica vem do latim e significa pega, um pássaro do hemisfério norte renomado por comer quase de tudo que encontrar por sua frente. Pica pode ser observada em todas as idades mas em particular em mulheres grávidas e em crianças, especialmente naquelas que sofrem dificuldades em seu desenvolvimento infantil normal.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Transtorno Alimentar Noturno

Conheça mais um transtorno alimentar chamado Noturno.

Neste tipo de transtorno as pessoas levantam a comer pela noite, ainda que continuam dormidos. Em grande número das vezes essas pessoas não são conscientes do que fazem e não lembram de nada ao despertar. Quando lhes contam o que fizeram, negam contundentemente. A despeito desse "assaltos" noturnos à cozinha, a maioria desses pacientes faz regime durante o dia.

Os pacientes com Síndrome do Comer Noturno geralmente comem mais de 55% das calorias totais de um dia entre 8h e 6h da manhã. Eles podem acordar várias vezes durante a noite só para comer e, concomitantemente, apresentam uma piora do humor durante a noite.

Normalmente a Síndrome do Comer Noturno não é uma patologia única, mas sim uma combinação de um transtorno alimentar, um transtorno do sono e um transtorno do humor. Embora não exista um tratamento específico, alguns medicamentos podem ser utilizados para ajudar no controle do comer noturno e nos sintomas depressivos que podem estar presentes.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Síndrome do Gourmet


Outro transtorno alimentar existente é a sindrome de gourmet onde as pessoas que sofrem dessa síndrome vivem preocupadas com a preparação, compra, apresentação e ingestão de pratos especiais, diferentes e e/ou exóticos. Podem continuar com esse tipo de preocupação e atividade, muito embora tenham perdido o interesse nas suas relações sociais, familiares e ocupacionais.

Acredita-se que tal alteração possa ser conseqüência de lesões ou alterações funcionais no hemisfério cerebral direito, tais como tumores, traumatismos, hemiplegia, etc.

Quando grave, pode contribuir para o desenvolvimento da obesidade.

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Bulimia Nervosa

bulimia nervosa
Outro tipo de distúrbio alimentar é a Bulimia Nervosa um transtorno mental que se caracteriza por episódios repetidos de ingestão excessiva de alimentos num curto espaço de tempo seguido por uma preocupação exagerada sobre o controle do peso corporal, que leva a pessoa a adotar condutas inadequadas e perigosas para sua saúde. A Bulimia Nervosa também acomete preferentemente a mulheres jovens ainda .

Os sintomas mais freqüentes da Bulimia Nervosa são:

- Comer compulsivamente em forma ataques de fome e as escondidas,

- Preocupação constante em torno da comida e do peso,

- Condutas inapropiadas para compensar a ingestão excessiva com o fim de não ganhar peso, tais como o uso excessivo de fármacos, laxantes, diuréticos e vômitos auto-provocados.

- Manutenção do peso pode ser normal ou mesmo elevado,

- Erosão do esmalte dentário, podendo levar à perda dos dentes,

- Mudanças no estado emocional, tais como depressão, tristeza, sentimentos de culpa e ódio para si mesma.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Anorexia Nervosa

anorexia nervosaUm dos primeiros transtornos alimentares a ser comentado com certeza será o tema do blog.

A Anorexia Nervosa é um transtorno emocional que consiste numa perda de peso derivada e num intenso temor da obesidade. Esses sentimentos têm como conseqüência uma serie de condutas anômalas, sendo que o paciente não tem conciência do que está passando. A Anorexia Nervosa atinge principalmente mulheres jovens entre 14 e 18 anos.

Os sintomas mais freqüentes da Anorexia Nervosa são:

1. Medo intenso a ganhar peso, mantendo-o abaixo do valor mínimo normal.
2. pouca ingestão de alimentos ou dietas severas;
3. Imagem corporal distorcida .
4. Sensação de estar gorda quando se está magra;
5. Grande perda de peso (freqüentemente em um período breve de tempo)
6. Sentimento de culpa ou depreciação por ter comido
7. Hiperatividade e exercício físico excessivo
8. Perda da menstruação
9. Excessiva sensibilidade ao frio
10. Mudanças no caráter (irritabilidade, tristeza, insônia, etc.)

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Alterações Cerebrais

Os pacientes com Anorexia têm aspectos clínicos comuns com os pacientes portadores de Bulimia, principalmente da Bulimia do tipo restritivo .Alguns desses aspectos clínicos comuns às duas patologias seriam:

- a distorção da imagem corporal,
- alterações na percepção das sensações internas,
- fobia do ganho de peso,
- preocupação em manter um peso de corpo subnormal.

Estudos com tomografia por emissão de pósitrom mostraram haver um hipometabolismo (metabolismo abaixo do normal) em determinada região cerebral, mais precisamente na área frontal e parietal nos pacientes . Esses estudos cerebrais têm mostrado também que estímulos visuais de alimentos de alto teor calórico aumentam o fluxo sangüíneo cerebral regional.

Ao passar do tempo será mostrado um poquinho de cada transtorno alimentar , para que se possa identificar os sintomas.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2010

Aspectos neurológicos e sócio-culturais dos Transtornos Alimentares

anorexia, cultura
Vários estudos demonstram um aumento na incidência de alguns dos Transtornos Alimentares como conseqüência à evolução do padrão de beleza feminino em direção a um corpo cada vez mais magro, notadamente da Anorexia e da Bulimia nervosas. A Anorexia e a Bulimia parecem ser mais prevalentes em países ocidentais e são claramente mais freqüentes entre mulheres jovens, especialmente as pertencentes aos estratos sociais mais elevados destas sociedades, o que fortalece sua conexão com fatores sócio-culturais. É por isso que alguns pesquisadores entendem os Transtornos Alimentares como síndromes ligadas à cultura. De acordo com esta concepção, a pressão cultural para emagrecer é considerada um elemento fundamental da etiologia desses transtornos, os quais, juntamente com fatores biológicos, psicológicos e familiares acabam gerando uma preocupação excessiva com o corpo, um medo anormal de engordar e uma ansiedade marcantemente acompanhada de alterações do esquema corporal. Essas são, pois, as características da Bulimia e da Anorexia.

Em nível pessoal e neurológico, as condutas de alimentação estão normalmente reguladas por mecanismos automáticos no Sistema Nervoso Central . A sensação de fome tem origem dupla; tanto em estímulos metabólicos, quanto em receptores periféricos situados na boca e no tubo digestivo. Induz-se a sensação de apetite, que desencadeia conduta de alimentação. A sensação de saciedade faz cessar estímulos da fome e se detém o processo. As pessoas normais apresentam algumas reações adaptadas aos estímulos de fome e de sede, com respostas corretas para a saciedade. O hipotálamo é o local onde se situam os centros da fome e da saciedade mas, será no córtex cerebral o local onde se desenvolvem mecanismos mais complexos relacionados à alimentação.

Embora o processo da alimentação fome, sede e saciedade possa parecer fisiologicamente automático e elementar, eles não ocorrem apenas nos elementos neurobiológicos que regulam a conduta alimentar. Eles também estão vinculados à experiências vivenciais prévias. Portanto, existem outros mecanismos mais complexos e relacionados com nossas experiências psicológicas como sentimentos de segurança, bem estar e afeto que se experimentam a através do peito materno na lactação, antecedentes pessoais de carência extrema e outros regulando o processo da alimentação. Também se relacionam ao ato de comer, nossas experiências sociais, tomando-se por base o fato de que o ato de comer tenha um aspecto eminentemente social e cultural.

Normalmente as características dos alimentos definem os diferentes grupos culturais. Assim, culturalmente se diz "dieta mediterrânea, comida americana, italiana, indiana..., pratos típicos, menus tradicionais...., etc". Dessa forma, o ato de comer sempre foi e continua sendo um fenômeno de comunicação social. Através da comida o grupo social se sente reúne e se identifica, de tal forma que na maioria dos atos sociais a comida ocupa um lugar de destaque.

Devido a esses múltiplos aspectos atrelados ao comensalismo, existem muitas possibilidades de que o processo natural de alimentar-se varie no tempo e na cultura. Em algumas ocasiões a causa dos Transtornos Alimentares pode ser física, decorrente de doenças que dificultam o processo da alimentação ou alteram o aproveitamento normal dos alimentos, outras vezes, o processo da alimentação pode alterar-se por fatores sociais, tais como a religião, cultura, status, moda e outros.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Estatísticas

Hoje estou feliz por salvar mais uma vida, vejam o depoimento em :

http://disturbioanorexia.blogspot.com/2009/03/depoimento-nao-pemsem-assim.html

Mas o problema é que os casos desta terrível doença estão aumentando, hoje é a segunda causa de morte entre adolescentes , a uma instituição denominada Cepan que está realizando um trabalho e que possui 150 pessoas internadas com anorexia. Além do tratamento criaram um grupo psicoeducativo para os pais.

Meninas e meninos amem-se como são..., pois a vida passa muito rápido ..

Salvem suas vidas..

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Histórico


Segundo Cordas (2004), Habermas (1986, 89) o primeiro caso sugestivo de Anorexia Nervosa ocorreu em uma serva que viveu no ano de 895. A jovem após apresentar um apetite voraz e descontrolado, para tentar diminuí-lo, buscou refúgio em um convento e nele, com o tempo, foi restringindo sua dieta ate passar a efetuar longos jejuns. Embora inicialmente ainda conseguisse manter suas obrigações conventuais, rapidamente seu quadro foi se deteriorando até a sua morte, por desnutrição.

No ano de 1694, Richard Morton (Pearce, 2004) é o primeiro a relatar a Anorexia Nervosa, descrevendo o tratamento de uma jovem mulher com recusa em alimentar-se e ausência de ciclos menstruais, que acabou morrendo de inanição com suas faculdades mentais básicas preservadas.

Em 1873, o francês Charles Laségue, descreve a anorexia nervosa como uma doença autônoma denominada por ele de anorexie histérique e, descrevia o transtorno da seguinte maneira: “forma peculiar de doença que afeta principalmente mulheres jovens e caracteriza-se por emagrecimento extremo...” cuja “falta de apetite é ...decorrente de um estado mental mórbido e não a qualquer disfunção gástrica...” (Cordás e Claudino, 2002).

Mas foi William Gull quem utilizou pela primeira vez a expressão "anorexia nervosa" em uma conferencia dada em Oxford (Gull, 1874): "forma peculiar de doença que afeta principalmente mulheres jovens e caracteriza-se por emagrecimento extremo” cuja “falta de apetite é decorrente de um estado mental mórbido e não a qualquer disfunção gástrica". Gull descartou a possibilidade que uma enfermidade orgânica justificasse a anorexia.

Na mesma época e de maneira quase simultânea, surgiu a descrição da doença por Laségue (1873), qualificando-a de inanição histérica e considerando-a, da mesma forma que Gull, uma doença psicogêna (Toro,1996). No final do século XIX, em 1893, Freud descreveu um caso de anorexia tratado com hipnose, um ano mais tarde descreveu a doença como uma psiconeurose de defesa, ou neurose da alimentação com melancolia .

Em 1874, William Gull descreve três meninas com quadro anoréxico restritivo denominando-o de apepsia histérica. Charcot detectou, por volta de 1889, que a idée fixe d obesité ou fobia de peso seria o elemento psicopatológico central que motivava as a anorexia em mulheres. A antiga idéia de Charcot é corroborada por Crisp, em 1980, que considerou a anorexia nervosa como um estado de fobia de peso.

Em 1903, Pierre Janet relata um caso de uma moça de 22 anos, que apresentava repulsa e vergonha de seu corpo com constante desejo de emagrecer, quadro que denominou de anorexie mental. O autor relacionou a busca intensa da magreza à necessidade de protelar a maturidade sexual e sugeriu dois subtipos psicopatológicos, obsessivo e histérico.

Foi em 1973 que Hilde Bruch propôs a psicopatologia central da anorexia nervosa estribada em três áreas de perturbação do funcionamento psíquico:

1. - transtornos da imagem corporal;

2.- transtornos na percepção ou interpretação de estímulos corporais, como por exemplo reconhecimento da fome e;

3. - uma sensação paralisante de ineficiência que invade todo o pensamento e atividades da paciente.

Um agravante é que, nas últimas décadas, ser fisicamente perfeito tem se convertido num dos objetivos principais (e estupidamente frívolos) das sociedades desenvolvidas. É uma meta imposta por novos modelos de vida, nos quais o aspecto físico parece ser o único sinônimo válido de êxito, felicidade e, inclusive, saúde.