Pesquisar

Pesquisa personalizada

sábado, 28 de fevereiro de 2009

Psiquiatria e Psicologia

Se a paciente ou seus familiares ouviram do médico que se trata de uma doença grave, ele certamente não exagerou. A Anorexia tem índice de mortalidade entre 10 e 30%, portanto maior que muitas doenças que as pessoas sabem que são graves .As causas de morte são metabólicas, cardiovasculares, imunológicas, infecciosas e gastroenterológicas, suicidios. De uma maneira geral: A Anorexia Nervosa é muito mais freqüente em adolescentes do sexo feminino do que masculino. Pode aparecer na idade adulta e quanto mais tarde aparece, melhor é a evolução. Anoréxicas não acham que estão doentes nem aceitam se tratar. Nas páginas de depoimentos, procuram tratamento, incentivam outras a se tratar, etc. Quase não existem depoimentos de anoréxicas. Geralmente elas preferem trocar idéias sobre laxantes, diuréticos técnicas de provocar vômitos e sobre como enganar a família e o médico. OBS.: Se alguém perdeu peso por causa de alguma doença consumptiva, ou endocrinológica ou de um Depressão grave, evidentemente não se pode falar de Anorexia Nervosa.

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Depoimento: fortes crises

Tenho 24 anos, este ano terminei o meu curso, tenho uns pais que me adoram, amigos que me adoram, sou era. . . ) linda, tenho tudo para ser feliz. Mas não sou. Tenho 1, 74m e peso 49kg, há mais ou menos 4 anos que alterno entre crises de anorexia e de bulimia. As coisas nunca tinham chegado ao ponto em que se encontram agora, ando a dar em doida, a comida tornou-se no meu pesadelo. Como, como, como e depois vomito tudo de seguida, se por algum motivo não o faço, deixo de comer nos dias seguintes até me sentir "magra" novamente. Preferia voltar à anorexia, pelo menos não passava por o que ando a passar. . . A minha mãe ao início culpava-me por o que faço mas agora já fecha os olhos e reza para que eu decida ir a um médico. Não o vou fazer, só a idéia de engordar ou comer o que quer que seja e depois não vomitar causa-me nojo. Eu sei bem que sou paranóica, doente e que neste momento já perdi muitas coisas e muitas pessoas devido a esta obsessão mas não a consigo deixar.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

ATENÇÃO


O tratamento da anorexia é interdisciplinar e engloba médicos, psicólogos, nutricionistas, enfermeiras e outros. A anoréxica oferece grande resistência ao tratamento. Costuma dizer “estou gorda e não doente”. Por isso é fundamental a prevenção, mais que em qualquer outra moléstia. Se você tem filhas, alunas, amigas, parentes ou conhecidas com essas características, não exite! procutre ajuda! é preferivel pecar por excesso do que correr riscos e perder uma pessoa importante na sua vida !

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Depoimento: Dificil de vencer

Bem, agora estou com 19 anos e farei 20 em poucos meses. Sofri de anorexia seguida de bulimia durante mais ou menos dois anos, hoje tento me controlar para não vomitar mais, inimigo que considero vencido. Porém a anorexia é outro inimigo que ainda me apavora muito. Apesar de fazer 8 ou 9 meses que não vomito, as vezes não tenho vontade de comer e chego a passar um dia inteiro sem comer nada. Tenho 1. 60m e estava a mais ou menos um semana atrás com 52kg, hoje estou com 46kg. Tenho muito medo de ter recaídas, porém não encaro mais a comida como meu inimigo, pois hoje em dia até sinto prazer em comer, coisa que era impossível há alguns meses atrás. Eu sempre fui um garota muito reprimida e isolada. Quando criança nunca tive amigos e por isso estudava muito para compensar essa falta de amizades. Ao fazer 17 anos comecei a me olhar no espelho de uma forma diferente, me achava feia, gorda, deformada, ou seja, um verdadeiro monstro. A partir daí comecei a fazer dietas malucas, deixar de comer, para tentar emagrecer. Mas para mim, eu nunca tinha resultados. Aos 18 anos, comecei a vomitar, e isso só me deixava cada vez mais triste. Se eu comesse e não vomitasse eu me sentia suja, mais feia e gorda. Era horrível. Depois de bastante tempo, minha família descobriu.

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Ajudem !!

Uma doença que 'está na moda' e muitas pessoas dizem que quem entra nesse mundo é porque quer.

As pessoas tem que entender que quem tem essa doença, também sofrem, choram, tem sentimentos sentem dor e nao conseguem saber o que está passando.

Imagine só que essas pessoas estão passando, passaram e ainda vão passar. Isso não é um conto de fadas que sempre termina com finais felizes. NÃO É .!As anorexicas não admitem estar doentes e não aceitam que precisam de tratamento.Elas preferem ficar conversando sobre dietas, laxantes, tecnicas de provocar vômitos e maneiras de esconder isso da família.

O que temos que fazer, e o que importa, é ajudar. Pra que essas meninas tenham um minuto de paz em frente ao espelho, sem se condenarem, sem ter que se preocupar com os quilos que pensam que ganharam depois de comer aqulela 'maçã'.

Gente, ta na hora de abrir os olhos pro mundo em que vivemos, onde moda, padrões de beleza e magreza estão fazendo a cabeça de todo mundo, e saúde está ficando em último plano.

Comos podemos não enchergar uma sociedade tão má com essas meninas doces, que no olhar só dizem uma coisa : 'me tirem desse pesadelo,não quero morrer'.

E alguns dizem que elas são apenas mais umas que morrem, que todos nós vamos passar por isso.Então se todas resolvessem ter ataques de anorexia, as pessoas se importariam porque não teriam mais meninas para satisfazerem suas grandezas, ganâncias.

As meninas com anorexia tem o peso 85% ou menos do nível considerado normal, praticam exercícios físicos em excesso, tem medo intenso e irracional de ganhar peso ou de ser gordo,em mulheres, auxencia de menstruação.

A anorexia possui um índice de mortalidade entre 15% e 20% (a maior de qualquer outro transtorno psicológico) , geralmente matando por ataque cardíaco devido a falta de sódio e potássio.

Vamos ajudar gentee, um simples gesto ja é um começo. Não deixem que essas meninas sofram tanto.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Depoimento: Medo de perder a guerra

Eu só gostaria de alertar as pessoas para o perigo da anorexia !!! Sou estudante de Medicina e sofro dessa doença há 5 anos. Sou anoréxica do tipo restritiva e tenho séria dificuldade de comer. No momento, eu com 39 Kg e IMC igual a 15, mesmo assim me desespero porque sempre acho que como demais. Tenho tentado me ajudar, pois não sofro sozinha, sei que faço minha mãe sofrer imensamente, entretanto a compulsão de perder peso é maior do que eu e tem me vencido dia a dia !!! Por favor, se você ou alguém da sua família tem esse problema procure ajuda o mais rápido possível. Tenho plena consciência de que meu caso se tornou crônico e apesar de estar viva, tenho medo de perder essa guerra defiitivamente.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Sinal de Alerta


Você está desconfiada que um ente querido esteja caminhando para um processo anoréxico? Verifique algumas dicas :
NOTA: isoladamente nenhuma delas é significa anorexia. Associadas merecem atenção:

1. Mesmo muito magra a pessoa procede como se estivesse em dieta REVELA MEDO EXCESSIVO DE ENGORDAR
Conta obsessivamente as calorias, pesa os alimentos,mede líquidos.
Pula refeições ou elimina certos alimentos que considera “engordativos”
Faz exercícios compulsivamente, vai além da dor, sente-se culpada quando não faz, deixa de fazer coisas importantes para fazer exercício e o faz para “queimar calorias”.

2. Vomita após as refeições ( difícil de verificar ) Dica: se a pessoa vai sistematicamente ao banheiro após as refeições e permanece por muito tempo, FIQUE ATENTA.

3. Toma laxantes e diuréticos (difícil de verificar) Dica: queixas de cólicas abdominais, inflamações anais ou descontrole intestinal.

4. Dissimula a magreza:
Usa roupas muito folgadas ou sobrepostas para esconder a magreza da família e amigos.
Penteados que escondem a proeminência das maças do rosto

5. Preocupação excessiva com peso, dieta, forma física, exercícios.
Supervalorização destes fatos. Tais assuntos passam a ser pontos centrais em sua vida.

6. Mudanças progressivas de comportamento
Afastamento das pessoas: isolamento social e familiar
Tornam-se desconfiadas. Podem apresentar irritabilidade, tristeza, raiva, zangarem-se com facilidade e tornarem-se difíceis de lidar.
Depressão

7 . Sintomas de desnutrição
Tontura, desmaio, fadiga, cansaço
Problemas de sono
Inchaço no corpo, especialmente nas pernas

Conseqüências

A anorexia vem acompanhada de depressão em 50 a 75% dos casos. 15 a 20% das anoréxicas morrem por suicídio, parada cardíaca, inanição. Das sobreviventes, 50% apresentam seqüelas permanentes, físicas e/ ou psicológicas. É o transtorno psicopatológico que apresenta maior mortalidade. A suspensão da menstruação por muito tempo pode ocasionar atrofia do útero e esterilidade futura.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Depoimento: perigo para o bebê

Olá, descobri o site de vcs hj e resolvi contar o drama que estou passando, para que possa ajudar outras pessoas. . . Tenho uma sobrinha, hoje com 17anos, grávida de 17 semanas. Extremamente depressiva, desde criança, sempre foi uma criança considerada magra, comia pouco e quando exagerava, o vômito era inevitável. Até nove anos, era uma criança feliz, após esse período, sua mãe casou novamente, e ela não aceitando tal fato tornou-se uma pré adolescente e adolescente extremamente revoltada, com desvios de conduta sérios, porém controlada com anti-depressivos. Quando fez 17 anos, em junho do ano passado, pesava 50kg, peso normal para os seus 1, 54m de altura. Depois disso, começaram transtornos alimentares. . . até dezembro, perdeu 4 kg, pesando 46kg, quando descobriu sua gravidez, indesejada. . . Aparentemente ela aceitou a gravidez, porém, com o início do pré natal, começamos a observar que algo estava errado. Perdeu mais peso ainda, que ela justificava ser por que estava enjoada de cheiros e não conseguia comer. Veio morar comigo então nessa época. . . comecei a proporcionar alimentos hipercalóricos, para ver se a situação revertia. . . Ela colocava comida no seu prato, como uma pessoa normal, eu acreditava que estava se alimentando bem, só estranhava que ela demorava demais para comer, esperava todos saírem da mesa. . . achava nojentos talheres e pratos, sempre achando uma mancha que dizia ser sujeira. Hoje, em consulta ao obstetra, verificamos que está pesando 38kg. . . isso para mim foi muito complicado. . . ela não admite que não come, mas chegando em casa, vasculhando as coisas dela, verifiquei alimentos petrificados escondidos no seu quarto, dentro da churrasqueira e em cantos do jardim! Jamais admite estar doente, mas percebi que ela provoca vômitos, quando se alimenta. . . essa situação me apavora, mais ainda, ela não consegue perceber que além de estar se prejudicando está colocando em risco também a saúde do seu bebê. O médico solicitou que eu a policie até segunda feira, após a Páscoa, e a partir de então iremos interná-la para fazer acompanhamento psiquiátrico e alimentá-la com soro e sonda se realmente ela continuar perdendo peso. Quando tiver novidades, escrevo p vcs e peço a gentileza que me ajudem como lidar com essa situação. perguntem a vontade, se possível, farei um relatório semanal sobre os acontecimentos que se seguirem.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Evolução da Doença

· Anemia/ queda da resistência imunológica
· Arritmia, insuficiência cardíaca ,parada cardíaca
· Problemas de pâncreas, fígado, rins.
· Hipotireoidismo
· Amenorréia que, se prolongada , pode levar atrofia do útero com esterilidade futura
· Osteoporose
· Depressão (50 a 75%)
· suicídio
· 15 a 20% das anoréxicas morrem por parada cardíaca, inanição ou suicídio

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Depoimento: Não sei

Oi após ter visto este site parei para pensar será que sou anoréxica pois a 2 semana s mais o menos não tenho comido muito pois não tenho muita fome mesmo tudo que como logo após tenho que dançar ou fazer muito exercício para que no dia seguinte eu acorde sem barriga tenho um grande sonho de ser um modelo tenho 178 pesava ate 2 semanas como disse 59 kilos hoje e pesei e estou com 55kilos e 800grs estou ficando preocupado mais estou adorando o meu corpo e desejo perder mais um pouco gordura sei lá quero ser magro o que eu faço obrigado pela oportunidade

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Sintomas e alterações físicas

  • Perda acentuada de peso
  • Ausência de menstruação
  • Nos homens , perda de desejo sexual/impotência
  • Intolerância ao frio
  • Enjôos, desmaios
  • Pele seca
  • Queda de cabelos
  • Lanugo (crescimento de penugem fina sobre o corpo)
  • Bradicardia (freqüência cardíaca baixa)
  • Pressão baixa
  • Inchaço (edema)
  • osteopenia
  • tremedeiras

sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Depoimento: Da maneira Certa

Bom, eu só tenho 13 anos vomito 4 a 6 vezes por dia, eu peso 68 quilos e queria pesar 49 e tenho 1, 53 de altura. Aí comecei a vomitar, pois desde pequena eu sou gordinha, meus pais descobriram agora vou começar a me cuidar e emagrecer de uma maneira adequada, e também já comecei a tomar um remédio que a médica indicou, se deus dizer eu vou emagrecer e seu muito feliz, para você que esta lendo o meu comentário não entre nessa de ficar vomitando por que faz mal e uma amiga minha já morreu por isso.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Alterações de Comportamento

· Quantidade de alimento muito reduzida (jejum, dieta muito restrita )
· Mesmo muito magra , comporta-se como se estivesse gorda diante do alimento.
· Presença de novos hábitos : separam os alimentos, cortam simetricamente em pequenos pedaços, medem os líquidos, demora exageradamente para comer, preparar comida para outros mas negas-se a come-la.
· Desculpas para evitar sentar-se à mesa.
· Fuga de situações sociais onde, supõe, haverá comida.
· Roupas largas e superpostas para esconder a magreza.
· Tipo de cabelo visando esconder as maçãs do rosto.
· Roubar alimentos e esconde-los.
· Ir ao banheiro após alimentar-se, permanecer lá muito tempo. Muitas vezes colocar musica alto ou fazer barulho com a água para que não se escute o vomito.
· Exercícios físicos extenuantes (compulsivos), muitas vezes de forma escondida ou isolada.
· Insônia : dificuldade para adormecer ou despertar precoce.
· Pesar-se e medir-se com freqüência
· Falar ou pensar exageradamente em peso, comida, calorias.
· Olhar-se exageradamente no espelho. Muitas vezes experimentar roupas de forma incansável , visando números cada vez menores.
· Queda de espontaneidade.
· profissões de maior risco : modelos, bailarinas, atletas, atrizes.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2009

Depoimento: Meus pais não sabem

Oi, eu tenho 13 anos e não tenho certeza se sofro de anorexia ou bulimia. Eu tenho 1, 60 de altura e peso 46 quilos. Há uns meses eu comecei a me achar um pouco gorda, na época eu pesava 49 quilos. No começo eu não ligava e achava que não importava ser gorda, contando que eu comesse o que quisesse. Mas no fundo o meu peso me incomodava sim, então comecei a fazer um regime de comer menos. Como não adiantava, parei de tomar café da manhã e comer durante dia, e também diminui a quantidade do meu almoço (isso quando eu almoço) e da minha janta (só não parei essa refeição para que meus pais não percebam, pois ambos jantam comigo). Meus pais trabalham, portanto ainda nem desconfiam. Se estou na companhia de alguém acabo almoçando, mas como o menos possível e depois corro pro banheiro pra vomitar. Depois da janta, todos os dias eu ligo o som bem alto e vomito também. Às vezes, durante o dia, não resisto e acabo pegando algo pra comer, mas aí, por menos que eu tenha comido, faço questão de vomitar. As pessoas me dizem que eu sou magra, mas eu não acho, e a minha opinião é a que eu devo seguir. Eu não pretendo ficar esquelética, só quero ficar de um jeito que eu me sinta bem comigo mesma. Mas no fundo há uma ponta de dúvida. . . Decidi que se eu perder o controle pedirei ajuda pros meus pais. Acho que as outras garotas deveriam fazer isso também

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Anorexia em pessoas de 45 anos ou mais

De acordo com um exame com 10,5 milhões de atestados de óbito nos Estados Unidos, entre 1986 e 1990. Os resultados mostraram que a idade média da morte causada por anorexia nervosa em mulheres é 69 anos e em homens, 80. Enquanto em faixas etárias inferiores as vítimas de anorexia são 90% mulheres e 10% homens, nas faixas acima dos 45 anos a taxa de incidência em homens dobra para 21%.
O distúrbio alimentar é mais comum entre jovens, mas, quando ataca os idosos, é sempre mais fatal, representando 78% das mortes por anorexia nervosa. Há muitas razões pelas quais a anorexia nervosa é considerada doença de gente jovem. O índice do distúrbio despenca após os 40 anos, o que pode levar à crença de que ele desaparece com a idade.
No entanto, os números por ele obtidos mostram que a doença aumenta dramaticamente em pessoas com 50 anos e continua a aumentar até atingir o pico aos 80 e 85 anos. Quanto aos motivos que levam os idosos a caírem vítimas de anorexia nervosa, Hewitt observa que pode haver muitas razões de ordem social, genética, familiar e biológica, mas que não há respostas definitivas.
Nos mais velhos, a anorexia nervosa pode se desenvolver, entre outras razões, pela morte de um cônjuge, pela aposentadoria ou pela necessidade de se ajustarem níveis de renda diferentes.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Depoimento: na escuridão !

Oi todos! Tenho 13 anos e sofro de anorexia nervosa há apenas 6 meses e tenho começado a ter crises de bulimia. Começou em Agosto, quando achei que precisava de emagrecer uns quilos (tinha na altura 1, 56m e 50Kg), comecei a deixar de comer e pelo Natal pesava 40Kg e estava sob uma grande depressão (!). . . mas não parei, e em Janeiro já pesava só 35 Kg (!!) e tinha perdido todos os meus amigos, acabando por culpar os meus pais disso. Em Fevereiro, fiz um tratamento à base de produtos naturais e ando muito melhor e até já tenho novos amigos, ms nas últimas semanas tenho tido vários ataques consecutivos de bulimia, esvaziando o frigorífico de tudo o que seja comida. Tenho vergonha de pedir ajuda aos meus pais e medo que eles descubram, o que não deve tardar, pois se continuar assim, depressa engordo os meus 34 Kg!

domingo, 8 de fevereiro de 2009

Anorexia em Crianças

A medicina sustentava a seguinte tese: a anorexia tinha uma idade mínima para se manifestar: dez anos. Essa tese caiu: até um recém-nascido pode tornar-se anoréxico. A descoberta é de um psiquiatra suíço . Essa doença em bebês é rara mas mortes ocorrem porque a criança é tratada de todas as formas menos psiquiatricamente. Um dos sintomas é quando o bebê se recusa constantemente a mamar virando o rostinho de lado (repete-se: anorexia é rara em bebês, não há motivo para alarmar-se).A anorexia em bebês é causada por problemas prematuros na relação com a mãe ou com o pai. O tratamento no caso seria a terapia com os pais, mas com o bebê presente. É impressionante a evolução do bebê quando os pais começam a falar dele.As crianças devem ser incluídas no grupo de risco,pois os casos declarados da doença surgem cada vez mais cedo. Por outro lado, afirmam, quanto mais precocemente forem identificados os sinais indicadores destes problemas, maiores são as probabilidades de tratar os doentes (90%).O primeiro sintoma é a falta de apetite. O peso começa a cair e a criança perde a vontade de viver, como se estivesse ausente do mundo. Se não for tratada logo, pode até a morrer. O quadro descrito é típico de anorexia grave precoce.A doença é encontrada na proporção de 1 para cada 20 mil crianças. O problema é de difícil identificação médica porque sua origem não está na criança, mas no meio que a circunda, especificamente na relação emotiva dela com seus pais. "Não se trata de um problema genético, mas funcional, de base emocional, porque o paciente não apresenta nenhuma alteração física que o faça recusar a alimentação", explica o médico, que descobriu a existência da anorexia precoce depois de desenvolver um trabalho de psiquiatria perinatal, durante 11 anos, em parceria com pediatras e obstetras do Hospital da Criança de Lausanne.Há duas formas conhecidas para a anorexia precoce: a passiva e a ativa,havendo dois tratamentos diferentes. Na primeira, mais grave, a criança não tem nenhum apetite e perde a ligação com o mundo exterior. "É uma situação que poderia ser comparada à de um autismo precoce", diz. "Sem um tratamento específico, psiquiátrico, ela morre." Na anorexia ativa, o prognóstico é melhor porque a criança não apresenta o comportamento autista.Segundo ele, a cura começa com um tratamento psiquiátrico dos pais e com sessões de reintegração social da criança com outras de sua idade. "É preciso entender que a anorexia é expressão física de uma raiva inconsciente da criança em relação ao modo que é tratada pelos seus pais".O objetivo da psiquiatria perinatal é justamente permitir que os desejos da criança sejam percebidos pelos pais, levando à abertura de um canal de comunicação dentro da família.Imagens de ressonância magnética de alta tecnologia mostraram que crianças anoréxicas apresentam redução no fluxo sanguíneo de pelo menos 10% entre os lobos temporais do cérebro; em algumas crianças, essa redução chegou a 20% e 30%. Bryan Lask, psiquiatra, e Rachel Bryant-Waugh, psicóloga, que conduziram o estudo junto com o radiologista Isky Gordon, descreveram as descobertas como surpreendentes. A parte do cérebro em que os médicos detectaram a anomalia, o lobo temporal anterior, governa o apetite, a sensação de saciedade, a expressão emocional e a percepção visual. Anoréxicos normalmente têm problemas em todas essas áreas.Ao olhar no espelho, esses pacientes se vêem como gordos. Os cientistas acreditam que a irrigação anormal esteja relacionada à visão distorcida que têm do próprio corpo. Se for o caso, pacientes poderão ser submetidos a tratamento para corrigir o fluxo sanguíneo de modo a modificar a visão que têm de si mesmos.Uma pesquisa constatou que de 18 crianças entre 8 e 16 anos, todas anoréxicas, submetidas a exames de ressonância magnética, 16 apresentaram a anormalidade no lado direito ou esquerdo do cérebro. Exames repetidos um ano depois em três meninas recuperadas e com peso normal ainda mostraram a anormalidade. Os pesquisadores disseram que a vulnerabilidade biológica sozinha não pode explicar o desenvolvimento da anorexia em crianças. Influências genéticas, fatores sociais, emocionais e outras condições ainda desempenham papel crucial na manifestação desse distúrbio. O número de casos de anorexia está dobrando a cada década.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

Depoimento: Vício

Bom, eu tinha 13 anos quando comecei a emagrecer, primeiro fiz um regime que comia de tudo mas porções menores. Emagreci bastante mas depois parece que fiquei viciada em perder peso e comecei a não comer. Escondia no guardanapo ou então colocava no vaso fiquei então com 33kg. Foi então que minha família percebeu e meu pai revirando meu quarto descobriu um cardeninho em que eu anotava tudo o que comia e suas calorias, teve uma conversa franca comigo e me ajudou a superar está doença. Hoje sigo uma dieta balanceada e estou com meu peso normal. e muito feliz pois me livrei daquela perseguição, preocupação de não comer !!!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Anorexia em Adolescentes

A idade média para o início da Anorexia Nervosa é de 17 anos, com alguns dados sugerindo picos aos 14 e aos 18 anos. O início do transtorno raramente ocorre em mulheres com mais de 40 anos. O aparecimento da doença está associado com um acontecimento vital estressante, como sair de casa para cursar a universidade, casamento, rompimento conjugal, etc. Além disso a ocorrência da síndrome é reforçada numa cultura em que a esbelteza é muito valorizada.
É importante lembrar que o comportamento típico da anorexia ocorre mais facilmente na adolescência, já que nessa idade há com maior frequência o isolamento, os problemas de relacionamento, a preocupação e vergonha com o corpo, a distorção da auto-imagem, aumento do apetite, modismos alimentares, etc.
Segundo Julia Graber, uma das coordenadoras de um estudo estudo da Universidade da Flórida , cerca de 20% das adolescentes e mulheres jovens americanas experimentam alguma forma de distúrbio alimentar,sendo que cerca de uma em cada 100 adolescentes é anoréxica. Na Argentina 10% das jovens sofrem da doença e o assunto é prioridade da saúde pública. No Brasil a estimativa é de uma em cada 250, mas a procura por tratamento vem dobrando ano a ano.
As adolescentes, principalmente, tem as exigências de uma sociedade que impõem modelos padronizados para vender mais e as suas próprias necessidades de se entregar aos prazeres de um hamburguer, por exemplo. Há ainda um outro problema, que é a preocupação exagerada de algumas mães com o excesso de peso e a aparência física das filhas, levando-as a acreditar que, se não forem assim ou assado, as portas para o futuro não se abrirão. Se alguma coisa vai mal na mente da menina e, justamente, nesse momento em que seu corpo ganha contornos de mulher, há grandes riscos de desenvolver distúrbios alimentares

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Depoimento: desânimo mas venci !

Eu tive anorexia no início dos meus 17 anos. . . comecei comendo de tudo, sendo q só as três principais refeições. . . depois comecei a comer comida mais saudável e lanchando uma barra de cereal ou um copo de suco ou alguma fruta! Depois eliminei o lanche e diminuí minhas únicas refeições! todos os dias praticamente eu comia as mesmas coisas. . feijão massa (uma xícara), arroz na água e sal (uma xícara) e alguma coisa grelhada ou desnatada! era o fim, até nas festas eu n sentia nem o cheiro dos doces e salgados q eu tanto amo! e ainda levava meu refrigerante light. deixei aos poucos de beber água com medo que engordasse, então conseqüentemente passei a não gostar de água! fazia todos os dias d domingo a domingo esteira, 35 min no quarto todo trancado. . . com isso sentia dor no peito, fraqueza e tontura! andava me escorando em paredes! quando tomava banho, ficava analisando meu corpo e sempre encontrava uma gordurinha a mais, mesmo estando uma caveira! Quando eu ia ao shopping, andava nas ruas. . . o povo me olhava estranho! Tinha gente q perguntava se eu tinha AIDS ou se usava algum tipo de droga! meus pais começaram a desesperar-se. . . minha mãe mal conseguia trabalhar e chorava todos os dias. . . como ela não sabia lidar com essa situação ela fazia ameaças se eu n comesse e eu fingia que não escutava, pois a doença falava mais alto! minha família fazendo promessas. . . e eu me sentindo a menina mais realizada do mundo e que tava arrasando por aí. . . quando na verdade eu tava assustando a todos! depois de muita insistência, fui ao psicólogo e psiquiatra e comecei a tomar antidepressivo, e mesmo assim o que não engordava! aos poucos fui me enxergando no espelho, e vi que estava muito feia. . . num dia muito feliz para os meus pais e de certa forma pra mim, eu comi a metade de um pacote do biscoito que eu mais gostava (eu sempre fui viciada em biscoito), e foi o começo de uma vitória! aos poucos fui me alimentando cada vez melhor, ficando mais feliz e proporcionando felicidade a quem me ama! no início desse incidente eu pesava 63Kg e cheguei a pesar 40Kg, isso foi +- em um ano! hoje em dia graças a Deus, a minha Psicóloga e aos meus pais, eu sou uma pessoa feliz. . . tenho na faixa de 59Kg. Não vou negar que amo comer e que as vezes eu exagero! mais eu aprendi que não devemos nos maltratar. . . e sim ser feliz do jeito que nos somos! obrigada mãe, pai, minha família e amigos! obrigada Deus!!! Amo vocês. . . estarei sempre grata! beijos =*

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Frequência

A taxa de prevalência de pacientes com anorexia é de cerca de 1% e, destes, cerca de 90% dos casos são em mulheres. A doença desenvolve em classes sociais mais elevadas. A anorexia surge em 45% dos casos após dieta de emagrecimento; em 40% por ocasião de uma situação competitiva. Algumas profissões ligam esbeltez com realizações, e populações especiais (notavelmente bailarinas e modelos) demonstraram ter um risco incomumente alto para o desenvolvimento de transtornos alimentares. A incidência de Anorexia Nervosa aumentou nas últimas décadas, devido a mudanças na sociedade e na mídia. Porém a anorexia tem vários "grupos de risco",podendo ocorrer em homens,crianças e pessoas mais velhas.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2009

Depoimento: Vício

Tenho 32 anos. Aos 14 anos desenvolvi anorexia nervosa. Sentia fortes dores estomacais que me fizeram parar de comer, os médicos acreditaram que as causas eram psicológicas. Passei por um tratamento clínico e melhorei, porém a idealização de um corpo mais magro nunca desapareceu de minha mente, desenvolvi então a depressão, após vários anos de tratamento resolvi desistir da medicação, percebo q isso tem dificultado muito minha vida, pois hoje sofro de bulimia, (o vomito me dá sensação de alívio nos períodos de crise). Quero me livrar desta situação mas ainda não sei como, pois é muito difícil controlar este vício. Gostei muito da idéia deste site pois nos dá a possibilidade de dividir nossas angústias e ver que há perspectiva de melhora.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Sequelas

Após o tratamento podem ficar sequelas como manias obssessivo-compulsiva como limpeza, perfeição,etc relação anormal com a comida,e ,em muitos casos a cura pode vir acompanhada da compulsão podendo haver também bulimia. A pessoa também pode sofrer de "altos e baixos",havendo,por vezes,a volta da anorexia.

Desânimo, sensibilidade.. qualquer grosseria ou sentimento de outra pessoa a faz sofrer por não poder ajudar. A paciente após o tratamento não deveria ficar sozinha para não desanimar e ter recaídas, deve viver em um ambiente feliz e tranquilo, deve continuar recebendo atenção.. e procurar não contraria-las, tentar explicar se estão erradas mas jamais agir com grosseria... Este tipo de sentimentos permanecem da própria doença.